Livro da Semana: Atenção Plena

leonardo

A algumas semanas criei um propósito pessoal de ler um livro por semana (alguns duram mais, mais o importante é prosseguir). Na semana passada comecei a ler o livro Atenção Plena e resolvi passar a compartilhar as anotações destes livros que leio aqui. As anotações não tem objetivo de ser um resumo ou mesmo uma crítica aos livros, elas simplesmente contem pensamentos e citações que achei interessantes nestes livros. Este livro fala sobre como podemos conseguir limpar a nossa mente e manter foco em nossas atividades e em nossa vida como um todo; como conhecer a nós mesmos e como sair do “piloto automático” tomando consciência e controle do que estamos fazendo.

Existem profundas fontes de tranquilidade dentro de todos nós, embora estejamos confusos e cansados demais para perceber

A técnica da terapia cognitiva com base na atenção plena gira em torno de uma forma de meditação que era pouco conhecida no Ocidente até recentemente

A meditação que a técnica propõe é tão simples que pode ser feita por qualquer pessoa

Meditação de um minuto
1. Sente-se ereto em uma cadeira com encosto reto. Se possível, afaste um pouco as costas do encosto da cadeira para que sua coluna vertebral se sustente sozinha. Seus pés podem repousar no chão. Feche os olhos ou abaixe o olhar.
2. Concentre a atenção em sua respiração enquanto o ar flui para dentro e para fora de seu corpo. Perceba as diferentes sensações geradas por cada inspiração e expiração. Observe a respiração sem esperar que algo de especial aconteça. Não há necessidade de alterar o ritmo natural.
3. Após alguns instantes, talvez sua mente comece a divagar. Ao se dar conta disso, traga sua atenção de volta à respiração, suavemente. O ato de perceber que sua mente se dispersou e trazê-la de volta sem criticar a si mesmo é central para a prática da meditação da atenção plena.
4. Sua mente poderá ficar tranquila como um lago – ou não. Ainda que você obtenha uma sensação de absoluta paz, poderá ser apenas fugaz. Caso se sinta irritado ou entediado, perceba que essa sensação também deve ser fugaz. Seja lá o que aconteça, permita que seja como é.
5. Após um minuto, abra os olhos devagar e observe o aposento novamente.

pensamentos e sensações (mesmo os negativos) são transitórios e que você tem a opção de agir com base neles ou não

a memória melhora, a criatividade aumenta e as reações se tornam mais rápidas

Mitos sobre a meditação:
-A meditação não é uma religião. A atenção plena é apenas um método de treinamento mental. Muitas pessoas que meditam são religiosas, porém inúmeros ateus e agnósticos são meditadores contumazes.
-Você não precisa se sentar no chão de pernas cruzada
-A meditação não é complicada. Não tem nada a ver com “sucesso” ou “fracasso”.
-A meditação não implica aceitar o inaceitável, mas ver o mundo com clareza para ser capaz de tomar atitudes mais sábias para mudar o que precisa ser mudado.

Quando você começa a se sentir triste, ansioso ou irritado, não é o estado de humor que causa problemas, mas sim a maneira como você reage a ele.

O esforço de tentar se livrar do mau humor ou da infelicidade com frequencia piora ainda mais as coisas.

Não deixe que pensamentos negativos ganhem impulso em sua mente.

Pode deter a sucessão de emoções destrutivas capaz de deixá-lo mais infeliz, ansioso, estressado, irritado ou exausto

lembranças não passam de lembranças, e que, portanto, não são reais.

Não podemos nos sentir mal por “falhar” em resolver nossos problemas.

ato de sorrir pode ele próprio torná-lo feliz. Esse é um exemplo perfeito de como são estreitos os vínculos entre a mente e o corpo.

Se ativamos uma chave emocional, as outras são ativadas em seguida (o mesmo ocorre com as sensações físicas, como a dor)

Com frequência, os pensamentos negativos aparecem disfarçados de perguntas duras que fazemos a nós mesmos: Por que estou tão infeliz? O que está acontecendo comigo? Onde será que errei? Onde isso vai acabar?

O impulso de explicar e expulsar a exaustão deixa você mais exausto

tensão, infelicidade ou exaustão não são problemas que possam ser resolvidos. São emoções. Refletem estados da mente e do corpo. Como tais, não podem ser resolvidas – apenas sentidas. Se você as percebeu e abandonou a tendência de explicá-las ou resolvê-las, terá mais chances de vê-las desaparecer sozinhas, como a névoa numa manhã de primavera.

Os sinais são claros: remoer pensamentos
é o problema, não a solução.

Se você depender somente da mudança de circunstâncias externas para se sentir feliz e energizado, terá de esperar muito tempo. E enquanto você espera o sol aparecer ou as férias chegarem, sua vida passa despercebida.

Na atenção plena, começamos a ver o mundo como ele é, não como esperamos que seja, como queremos que seja ou como tememos que se torne.

é dificil ser curioso e infeliz ao mesmo tempo.
Embora você seja pobre de tempo, poderá ser rico em momentos.

Tendemos a viver no passado ou no futuro e raramente tendemos a notar o que esta acontecendo no presente.

Deixe uma resposta